Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


...

por O Principezinho, em 30.04.16

Pedro meteu a mão ao bolso e retirou um molho de chaves. Escolheu a chave que abria o portão da casa. Percorreu o jardim devagar. Parecia-lhe que o corpo, a par dos seus pensamentos, estava também paralisado.
Quando chegou à porta principal, abriu-a e ficou imóvel, parado à entrada.
Na sala, encontrava-se justamente a última pessoa que ele queria encontrar. Estava deitada no sofá, adormecida, com um copo de whisky na mão.
Pedro segurou no copo com delicadeza e colocou-o na mesa. Não queria que ela acordasse e voltasse a desestabilizar-se ao vê-lo ali. Pegou numa manta quente e aconchegou-a.
De seguida subiu rapidamente as escadas e digitou o código que abria o cofre. Mas o cofre não abriu. Como estava demasiado nervoso, Pedro sentou-se na cama e tentou acalmar-se. Segundos depois, voltou ao cofre e tentou novamente a combinação de números. Mas o cofre não abria.
- Ela mudou o código! – disse para consigo mesmo.
Vasculhou a mala dela que estava em cima da cama e encontrou cem euros. Meteu-os ao bolso, desceu as escadas e saiu não fazendo nenhum barulho.
Foi a pé até à Farmácia e comprou um anti-inflamatório. Dirigiu-se aos Correios e, enquanto esperava a sua vez, escreveu uma carta. Quando a empregada chamou o seu número, Pedro dirigiu-se ao Balcão e disse:
- Quero enviar uma encomenda para esta morada, por favor.
Quando saiu do edifício dos Correios, Pedro estava imensamente pálido. As mãos tremiam-lhe. O que ficaria ela a pensar dele quando recebesse o embrulho?

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D